top of page

Artigo escreve ocorrências com Cirurgia de Estimulação Cerebral Profunda

O artigo recentemente publicado na Neurosurgery: Practice, de autoria de Alexander Evans, Audrey Grossen, Kiana Prather e Andrew Conner da Universidade de Oklahoma Health Sciences Center, traz uma importante contribuição para a neurocirurgia. A pesquisa aborda a etapa crucial da estimulação cerebral profunda, que requer o implante de geradores de pulso implantáveis (IPGs). Visando aumentar a longevidade desses dispositivos e reduzir complicações como a erosão do dispositivo, os autores apresentam uma técnica cirúrgica inovadora, posicionando o hardware sob a fáscia peitoral superficial.


O estudo oferece uma descrição detalhada da técnica de implante de IPG no espaço subfascial, ilustrando seu uso em um paciente submetido à estimulação cerebral profunda. Além disso, os autores compartilham dicas e armadilhas a serem consideradas ao implementar esse método, tornando-o um recurso valioso para neurocirurgiões. Ao propor essa abordagem subsuperficial alternativa, o trabalho destaca o potencial para reduzir complicações e preservar a longevidade do dispositivo, abrindo caminho para melhorias na qualidade de vida dos pacientes submetidos a essa terapia.


Em conclusão, a técnica apresentada no artigo representa um avanço significativo na área da estimulação cerebral profunda. A colocação subsuperficial do IPG sob a fáscia peitoral superficial oferece uma solução simples, porém eficaz, para aumentar a durabilidade do dispositivo e reduzir potenciais complicações. Com esta nova abordagem, os cirurgiões podem melhorar os resultados de seus pacientes, promovendo uma estimulação cerebral profunda mais segura e eficiente, e, consequentemente, uma melhoria significativa na qualidade de vida dos pacientes que se beneficiam dessa terapia.


Leia artigo completo abaixo.

bottom of page